Artigo

E a vulnerabilidade corporativa?

"(...) Eu sei que vulnerabilidade é o centro da vergonha e do medo e da nossa luta por merecimento mas parece que também é a origem da alegria, da criatividade, do pertencimento, do amor. E acho que tenho um problema, e preciso de ajuda." Brené Brown

Tenho visto com frequência um aumento de compartilhamento sobre "vulnerabilidade", mas gostaria de focar em duas de suas premissas:

- não julgar;

- estar aberto.

Particularmente acho muito difícil ambos e por mais que eu tenha tomado cada vez mais consciência do jeito que sou e ajo, às vezes me chateio ao me pegar julgando e não estando aberta para o outro tão genuinamente quanto poderia - e me chateia porque gostaria de ser mais consistente, só nessas duas, para começar.

Nas relações familiares e com amigos próximos acho que consigo ser mais dessa forma, sem racionalizar tanto: compartilho os meus anseios, medos, frustrações - mas é curioso observar que a maior vibração do dividir está nas alegrias, no amor, no bom humor.

Se é tão difícil sermos vulneráveis com aqueles que, teoricamente, pouco nos julgariam e tanto são abertos, imaginar isso acontecendo no ambiente de trabalho ainda é bem difícil: uma pena!

Nos últimos meses li sobre o despreparo das organizações em lidar com o luto de funcionários, seja quando perdem pais, filhos, irmãos, espos@s, enfim, não importa quem, mas parece que a dor também parece não importar - muito.

Se organizações são pessoas e se as pessoas mal se permitem - ou conseguem - ser vulneráveis em seus círculos íntimos, quiçá no trabalho, em que falhar e, sobretudo, reconhecer os aprendizados via erro, continuam raros.

Acho que vou além dos pedidos que vejo de que sejamos vulneráveis, acrescentando, "por quê não ser no trabalho?".

Depois que li sobre o impacto positivo, inclusive em termos de resultados de negócios, nas organizações em que os líderes puderam chorar, falar sobre as tristezas e os problemas que os abatem pessoalmente, principalmente nos cenários de luto, o efeito desencadeador foi extremamente significativo do ponto da cultura e do engajamento que se cria.

Acolher as pessoas em pós-traumas e permitir que se manifestem quanto ao que sentem é uma "vulnerabilidade corporativa" e, de fato, ainda são poucos os que têm coragem de correr o risco, para si e para organização - aliás, o que significa agir com coragem, não é?

Nessas eras de automatização e foco em tecnologia, tem muita gente se esquecendo do que o faz humano: um lamento - ou uma oportunidade de transformar o que tem pouca organização transformando; ainda: coragem para não julgar e se abrir.

Babi.

Próximos passos

Experimente nossas principais ferramentas

Outras ferramentas

Ferramentas nunca são demais, explore e aproveite

Fique por dentro

Deixe seu email e receba dicas e fique por dentro dos nossos eventos.